Aumento nos casos de conjuntivite!

Prevenir e tratar! Como a Enfermagem deve agir contra?

"Foi uma surpresa muito grande, há vários anos a gente não observava esse surto de conjuntivite", diz o oftalmologista Wagner Batista, de Belo Horizonte. "Com certeza surpreendeu! Todo verão a gente se prepara para um aumento, mas o número desse ano foi muito maior do que o esperado", fala o também oftalmologista Vasco Bravo Filho, de Recife.

 

"Foi muito maior e mais longo do que nos anos passados. A essa altura, já não era mais para ter", completa Ivan Dantas, coordenador do serviço de urgência de Salvador.

 

Os três médicos trabalham no atendimento de emergência da rede pública das capitais dos seus Estados. Em comum, vivenciaram uma crise de conjuntivite viral, muito maior e mais longa do que o esperado para os primeiros meses do ano, que abarrotou as unidades de saúde. Em alguns casos, foi preciso isolar áreas da emergência só para pessoas com conjuntivite e até mesmo montar hospitais temporários, para evitar o contágio de outros pacientes. O auge da crise ocorreu em março e, agora, começa a diminuir.

 

Segundo levantamento da BBC Brasil, o número de casos de conjuntivite explodiu no início deste ano em pelo menos quatro Estados do país: Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais e Pernambuco. Além disso, Salvador (BA), Fortaleza (CE) e Petrópolis (RJ) registraram números muito acima do normal para esta época do ano.

 

A extensão do surto de conjuntivite de 2018 pode ser ainda maior. Não há dados consolidados de todo o Brasil, porque os Estados não são obrigados a notificar surtos de conjuntivite para o Ministério da Saúde. Em alguns casos, nem os Estados têm dados agregados dos municípios. Além disso, não há padronização dos dados entre as diferentes regiões do país e há uma dificuldade de comparação com anos anteriores.

 

Confrontados com os surtos em suas cidades, os brasileiros correram para o Google em busca de respostas, gerando uma explosão inédita na procura pelo termo "conjuntivite" (veja mais à frente na reportagem algumas das dúvidas principais e o que os médicos dizem a respeito). O interesse começou a crescer em fevereiro e atingiu o auge em março. A partir de abril, passou a diminuir. Antes disso, apenas um pico tinha sido registrado no Google, em 2011, mas em intensidade bem menor do que o atual.

 

Como a conjuntivite é uma doença simples, autoridades de saúde pública ouvidas pela BBC Brasil dizem que não há motivo de preocupação. O ciclo da doença costuma durar de 5 a 7 dias e, na maioria das vezes, não há necessidade de uso de medicamentos e nem ocorrem complicações. Apesar disso, é preciso se afastar do trabalho, escola e transporte público nesse período, para evitar o contágio de outras pessoas.

 

Como se prevenir e como tratar a conjuntivite

 

Veja as respostas para as dúvidas mais comuns sobre conjuntivite buscadas no Google:

 

O que é conjuntivite? A conjuntivite é uma inflamação na conjuntiva, uma membrana que reveste o globo ocular e o interior das pálpebras. A causa pode ser viral (como registrada em grande parte das cidades que tiveram surto em 2018), bacteriana ou alérgica. Não é grave, mas é irritante e altamente contagiosa.

 

Quais os sintomas da conjuntivite? Os olhos podem arder, coçar, lacrimejar, ficar vermelhos e com a sensação da estarem com areia. Ao acordar, é comum que fiquem grudados por causa de excesso de secreção. A conjuntivite, em si, não causa febre. Os sintomas costumam durar de 5 a 7 dias.

 

Como se pega? Para pegar a doença, é preciso um caminho de ida e volta: primeiro, a pessoa com conjuntivite passa a mão no olho e toca em algum lugar, espalhando o vírus; depois, outra pessoa toca naquele mesmo lugar e passa a mão que ficou contaminada no olho. No caso da conjuntivite viral, "o vírus pode sobreviver por até duas semanas na superfície seca. Por exemplo, na haste do ônibus, no botão do elevador, no corrimão, na maçaneta. Por isso, a conjuntivite se transmite com facilidade", explica o oftalmologista Abrahão Lucena, de Fortaleza. O contágio não se dá nem por ar, nem água.

 

Como se prevenir? A recomendação básica para evitar o contágio é não passar a mão nos olhos. Além disso, lavar as mãos com frequência, higienizá-las com álcool gel e não compartilhar objetos com pessoas contaminadas - como toalhas e lençois. Outra dica é que as pessoas com conjuntivite usem toalhas e lenços de papel descartáveis. Também vale higienizar as superfícies tocadas pelas pessoas com conjuntivite com água e sabão e depois álcool 70%.

 

Como tratar? Para quem já está com conjuntivite, os cuidados principais são limpar e umedecer os olhos com colírios lubrificantes - soro fisiológico, por exemplo. Dependendo do caso, o médico pode indicar anti-inflamatórios e antibióticos. Por isso, a recomendação é sempre procurar o médico, mesmo sendo uma doença simples - inclusive, se você trabalha ou estuda, vai precisar se afastar e o médico é quem vai dar o atestado médico.

 

Tratamento caseiro funciona? Oftalmologistas desaconselham tratamentos caseiros, como compressas de chás, sucos e leite materno. "Nada das soluções alternativas funciona. É até contra indicado, porque a pessoa pode acabar tendo uma contaminação, que pode inflamar o quadro. Muitas vezes, as pessoas acham que a solução caseira melhora, mas na verdade o que acontece é que a conjuntivite cessa normalmente, a pessoa vai ficar boa de qualquer jeito", fala o oftalmologista Bravo Filho, de Recife.

 

Qual o papel da Enfermagem nesses casos? 

Primeiramente devemos focar na prevenção: orientar nossos pacientes a lavar as mãos sempre que possível, evitar contato direto com pessoas infectadas, e evitar sempre de levar as mãos ao rosto. Se o paciente já estiver infectado, devemos orientá-lo também a evitar ao máximo que contagie outras pessoas (agindo da mesma forma que na prevenção) devendo seguir o tratamento médico corretamente e aguardar a melhora do quadro para retornar as atividades diárias ao redor de outras pessoas. 



Fonte: BBC Brasil | Portal da Enfermagem

Adaptado:  Marco Túlio Porto Gonçalves, Mestre em Parasitologia pela UFMG.



Clube de vantagens

O Clube de Vantagens é uma exclusividade para os Clientes da EveryCare, você terá uma série de benefícios e descontos em vários estabelecimentos. Participe de Promoções Exclusivas. Confira quais são algumas destas vantagens em ser Cliente da EveryCare.

Quem Somos

logo

Fale conosco

EVERYCARE NA MÍDIA

Everycare é um serviço da The Bridge Startup - 2018
CNPJ: 28.507.376/0001-06